Florianópolis (28/2/2008) - Em coletiva à imprensa, na tarde desta quinta-feira (28/2), em Florianópolis, o secretário-executivo da Justiça e Cidadania, Justiniano Pedroso, e o diretor do Departamento de Administração Prisional, Hudson Queiroz, anunciaram medidas para o Complexo Penitenciário de São Pedro de Alcântara. Entre as ações, o reforço de mais 26 agentes prisionais e a realização de uma força tarefa no local.

O diretor do complexo, Everton Medeiros, que solicitou o afastamento do cargo, está sendo substituído pelo agente prisional, Kleber Goede. Para auxiliar nas funções, os gerentes de dois dos maiores complexos penitenciários do Estado, Criciúma e Itajaí, também foram convocados. 

Uma força tarefa com cinco agentes prisionais, três psicólogos e apoio da OAB,  está atuando no complexo, desde antes da última morte. Na segunda-feira (3/3), mas um psicólogo integrará a equipe.

Pedroso lembrou que o complexo abriga os detentos mais perigosos do estado e que mortes foram evitadas graças ao trabalho de um grupo de inteligência formados pelas Polícias Militar e Civil e pelo Sistema Penitenciário. "Graças a identificação de presos ameaçados de morte, tem sido possível evitar mortes, pois os mesmos foram transferidos para outras unidades", explicou.

O secretário também comentou as tentativas de formação de grupos dentro da penitenciária. "Em breve 12 presos serão transferidos para prisões federais por início de tentativas de formação de grupos. Pois não vamos permitir esse tipo de ações", ressaltou.

Ainda, conforme o secretário, nunca se investiu tanto no sistema penitenciário como nos últimos anos. "Para citar um exemplo, hoje temos 6540 vagas, sendo que 2.542 foram criadas desde 2003. No final de 2007, o governo do Estado autorizou a abertura de mais de 2 mil vagas, com a construção e reforma de penitenciárias, algumas já sendo construídas e outras em processo de licitação", disse.