novo diretor adjunto


O Policial Penal Ricardo Marques Brito assumiu o cargo de Diretor-adjunto do Departamento de Polícia Penal (DPP), nesta segunda-feira (06), em Florianópolis. A nova função foi oficializada durante encontro que contou com a presença do Secretário da SAP, Leandro Lima, do Secretário Adjunto, Edemir Alexandre Camargo Neto e do Diretor-geral do DPP, Vladecir Souza dos Santos. Na oportunidade, o Diretor do DPP, Vladecir apresentou a nova estrutura , conquistas e desafios do DPP.

Operações do DPP

O Departamento de Polícia Penal (DPP), por meio da Coordenadoria de Operações, segue com intenso cronograma de ações preventivas de segurança no estado. Ao longo dos últimos dias, o Complexo Penitenciário de Chapecó, Presídios de Xanxerê, Concórdia, Maravilha, São Miguel do Oeste e São José do Cedro receberam a operação Sistema Seguro, quando equipes especializadas (GTI, SOE, NOT e DOC) uniram esforços com os PPs de plantão para realizar a revista estrutural e das celas, a fim de garantir a estabilidade das unidades. “Os procedimentos básicos de segurança são fundamentais para a identificação de vulnerabilidades e somar a expertise dos operadores das unidades, com a das equipes especializadas só reforça a segurança do nosso sistema”, observou o Diretor-geral do DPP, Vladecir Souza dos Santos.

No Norte do estado, o Presídio de Jaraguá do Sul também recebeu equipes de Policiais Penais para efetuar a operação pente-fino. No Médio Vale, a revista geral foi no Presídio de Ituporanga e, no Sul, a unidade de Araranguá. “A Operação Sistema Seguro foi ativada para garantir a estabilidade das unidades prisionais catarinenses, uma vez que todas as rotinas estão sendo gradualmente retomadas, com o avanço da vacinação e queda e a consequente queda nos índices de contaminação pela Covid-19”, disse o Coordenador de Operações do DPP, Robson Oliveira.
Até o momento já foram realizadas operações preventivas de segurança na Penitenciária de Florianópolis, na Penitenciária de Itajaí, no Presídio Regional de Criciúma, no Complexo Penitenciário do Estado, na Penitenciária Sul.

DINF participa de Seminário 2 


O Diretor de Inteligência e Informação (DINF) da Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa, Ricardo Ferreira, participou do I Seminário Regional de Integração das Agências de Inteligência Penitenciária Sul (I SERIIPEN), no Paraná. O evento promovido pela Diretoria de Inteligência Penitenciária do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública, com apoio do Departamento de Polícia Penal do Paraná (Deppen) foi realizado em Curitiba e debateu novas perspectivas do tema no cenário nacional.

Além de Santa Catarina, o evento conta com participantes dos estados do Paraná e Rio Grande do Sul, que vieram à capital paranaense para compartilhar experiências, discutir temas relevantes e tratar de doutrinas e práticas. Participam deste seminário analistas, diretores e chefes regionais do sistema penitenciário, bem como profissionais convidados de outras instituições como Polícia Militar, Polícia Civil, Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, e Tribunal de Justiça.
Durante a abertura do evento, na terça-feira (30), o secretário da Segurança Pública do Paraná, Romulo Marinho Soares, ressaltou que a participação dos representantes da inteligência penitenciária de cada estado culmina em resultados mais eficientes.

“Não temos como pensar na segurança pública sem o setor de inteligência e, em especial, a penitenciária. Constantemente somos desafiados a atualizar procedimentos e reforçar as ações preventivas nas unidades penais e não há outra forma de fazer isso senão com o incentivo à educação continuada e o constante aperfeiçoamento dos nossos profissionais”, disse.
O diretor de Inteligência Penitenciária Nacional, Josélio Azevedo de Souza, conta que um dos principais objetivos do seminário é identificar as boas práticas e as expertises que cada estado tem, as quais podem ser readequadas às realidades de outras unidades da Federação. O Paraná, na visão do diretor, tem várias qualidades na gestão e na operacionalização da inteligência no setor penitenciário

“O Paraná é um estado muito importante, não só por se dispor a sediar nosso primeiro evento, como também por prestar apoio muitas das nossas ações e contribuir com este cenário de compartilhamento de informações e estratégias. A União pode e deve destinar aos estados com know-how tecnologia, recursos materiais e centralização da gestão, os quais têm sido apresentados durante o seminário e serão reiterados nos próximos dias”, disse.
Os profissionais de outras forças de segurança pública do Paraná e dos demais estados do Sul participam das atividades e vão contribuir para fortalecer a integração. De acordo com o diretor de Inteligência e Informação da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária e Socioeducativa de Santa Catarina, Ricardo Ferreira, a integração ajudará o sistema penitenciário brasileiro a avançar ainda mais. “Tivemos a oportunidade de trazer todo o nosso staff de Santa Catarina para compartilhar o que temos de melhor e absorver, na mesma medida, o que a inteligência no meio prisional e socioeducativo dos demais estados pode oferecer em benefício da Segurança Pública do Sul do Brasil”, disse.

Já o representante da Superintendência dos Serviços Penitenciários do Rio Grande do Sul, Thiago da Silva Agne, destaca que o momento é de explorar cada vez mais os recursos da inteligência diante da evolução constante da criminalidade. “Esta iniciativa, que une a área da inteligência prisional do Sul do País, é um ponto decisivo para a segurança pública, pois permite o compartilhamento aprofundado de dados e a cooperação entre todas as forças de segurança”, contou.

“Buscamos aprimorar, equipar e trazer uma nova filosofia de trabalho aos nossos integrantes, até porque eu também sou oriundo da inteligência. Então buscamos aprimorar este serviço e dar uma qualificação e um treinamento já voltado para questões futuras”, destacou o diretor-geral do Deppen, Francisco Caricati.
*Com informações da Agência Estadual de Notícias do Governo do Parana

DINF participa de Seminário 1

Fotos: SESP/PARANÁ

avanço da vacinação

A Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) informa que o avanço da vacinação está permitindo que novas flexibilizações sejam implantadas nas unidades prisionais e socioeducativas. A principal medida se refere ao aumento do tempo e da frequência de visita sempre por agendamento na unidade.

Após uma reunião técnica entre a Central Covid-19, a Sala de Situação da SAP e o Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes), da Secretaria de Estado da Saúde, a Portaria Nº 1433/GABS/SAP, publicada no Diário Oficial do estado (DOE), no dia 30 de novembro de 2021, estabelece as regras de segurança sanitária para serem seguidas e respeitadas durante a execução das atividades desenvolvidas nas unidades prisionais e socioeducativas catarinenses. Confira a Portaria completa aqui.

Para ingressar na unidade, o visitante deverá usar máscara de proteção; higienizar as mãos, ter a temperatura aferia, ausência de sintomas da Covid-19 e imunização completa contra a Covid-19.

Nas unidades prisionais, as visitas sociais poderão ocorrer de forma presencial ou virtual, sendo possível 02 (duas) visitas sociais por mês, podendo o visitante escolher entre as duas modalidades, ou 01 (uma) visita social e 01 (uma) visita conjugal por mês, sempre em semanas distintas.

Nas unidades socioeducativas poderão ocorrer de forma presencial ou virtual, sendo possível 02 (duas) visitas na modalidade virtual e 02 (duas) visitas na modalidade presencial, totalizando 04 (quatro) visitas mensais, a considerar uma por semana.

A modalidade de visita será escolhida pelo visitante por meio de agendamento prévio junto ao Setor Social da unidade prisional e/ ou equipe técnica da unidade socioeducativa, preferencialmente, ou setor competente designado pela administração da unidade.

O mapa de risco da SES continua sendo parâmetro para a duração da visita. Mapa azul elevou para duas 02 (duas) horas e amarelo ou laranja aumentou o tempo de visita presencial para 01 (uma) hora. As virtuais passaram de 20 para 30 minutos; mapa vermelho a visitação será suspensa. Também será permitida a entrada de 03 (três) visitantes por interno, menores vacinados com pelo menos 01(uma) dose de vacina também estão autorizados.

Nas unidades que possuem espaço físico destinado às visitas coletivas, presenciais, fica autorizado o contato físico entre os visitantes e o interno do mesmo núcleo de visitação.